Eucaristia não é um prêmio para os bons, diz Papa Francisco

Na Solenidade de Corpus Christi, o Papa Francisco afirmou que a Eucaristia não é um prêmio para os bons, mas força aos pecadores

A Eucaristia não é um prêmio para os bons, mas a força para os débeis e os pecadores. O perdão, viático que nos ajuda a andar, a caminhar”. Foi o que destacou o Papa Francisco na homilia da Missa de Corpus Christi, em Roma, nesta quinta-feira, 4. 

Francisco citou um trecho do Ofício das Leituras que diz: “Você reconhece neste pão, aquele que foi crucificado; no cálice, o sangue que jorrava de Seu lado. Tomai e comei o Corpo de Cristo, bebam o seu sangue, porque agora são membros de Cristo. Para não vos separarem, comer este vínculo de comunhão; para não esmorecer-vos, beber o preço de sua redenção “.

A partir dessa leitura, questionou o que significa separarmos e esmorecermos, nos dias de hoje. “Nos separamos quando não vivemos a Palavra do Senhor, quando competimos para ocupar os primeiros lugares, quando não somos capazes de oferecer esperança. Assim nos separamos”.

“A Eucaristia não nos permite separarmo-nos; é sinal vivo do amor de Cristo que se aniquilou para que permaneçamos unidos. Participando da Eucaristia e nutrindo-nos dela, nós assumimos um caminho que não admite divisão”, disse.

Esmorecer, segundo o Papa, significa deixar-se atingir pelas idolatrias deste tempo: “o consumir, o aparecer, o ‘eu’ no centro de tudo. O não admitir nunca ter errado e não ter necessidade. Tudo isso nos abate e nos torna cristãos medíocres, pagãos”.

“Agora, experimentemos a graça de uma transformação: nós permaneceremos sempre pobres pecadores, mas o Sangue de Cristo nos livrará dos nossos pecados e nos dará de volta a nossa dignidade. Sem o nosso mérito, com sincera humildade, podemos trazer aos irmãos o amor de nosso Senhor e Salvador”.

A Eucaristia, disse ainda o Papa, atualiza a aliança que santifica, purifica e une os fiéis em comunhão admirável com Deus.

Concluindo a homilia, o Papa pediu que durante a procissão do Santíssimo Sacramento, que marca a Festa de Corpus Christi, cada fiel se lembrasse daqueles cristãos que não podem expressar livremente a sua fé.

“Cantemos com eles, adoremos com eles, e veneremos no nosso coração aos quais fora pedido o sacrifício da vida por amor a Jesus Cristo. E não nos esqueçamos: para não nos separarmos e formamos este vinculo de comunhão, bebamos o preço da nossa redenção”.

Homilia do Papa na Solenidade de Corpus Christi

Brasão do Papa

HOMILIA
Solenidade de 
Corpus Christi
Basílica São João de Latrão

Quinta-feira, 19 de junho de 2014

“O Senhor, vosso Deus, vos nutriu com o maná, que vós não conhecíeis” (Dt 8,2)

Estas palavras de Moisés referem-se a história de Israel, que Deus tirou do Egito, da condição de escravidão, e por quarenta anos guiou no deserto em direção à  terra prometida. Uma vez estabelecido na terra, o povo eleito chega a uma certa autonomia, um certo bem-estar, e corre o risco de esquecer os tristes acontecimentos do passado, superados pela intervenção de Deus e Sua infinita bondade. Por isso,  as Escrituras os exortam a recordar, fazer memória de todo o caminho feito no deserto, no tempo de fome e desconforto. O convite de Moisés é o do retorno ao essencial, à experiência da total dependência de Deus, quando a sobrevivência foi confiada em suas mãos, para que o homem compreendesse que “ele não vive somente de pão, mas de toda palavra que sai da boca do Senhor “(Dt 8, 3).

Além da fome física que homem traz dentro de si, há uma outra fome, uma fome que não pode ser satisfeita com alimentação normal. É a fome de vida, fome de amor, fome de eternidade. E o sinal do maná – como toda a experiência do Êxodo – continha em si também esta dimensão: era a figura de um alimento que satisfaz esta fome profunda que há no homem. Jesus nos dá esse alimento, mais do que isso, é Ele mesmo o pão vivo que dá vida ao mundo (cf. Jo 6,51). Seu corpo é verdadeira comida sob as espécies do pão; o Seu sangue é verdadeiramente bebida sob as espécies do vinho. Não se trata apenas de um alimento com o qual saciar os nossos corpos, como o maná; o Corpo de Cristo é o pão dos últimos tempos, capaz de dar vida, e vida eterna, porque a substância deste pão é o Amor.

Na Eucaristia se comunica o amor de Deus por nós: um amor tão grande que nos alimenta com o Seu próprio ser; amor gratuito, sempre disponível a cada pessoa com fome e necessitada de revigorar suas forças. Viver a experiência da fé significa deixar-se nutrir pelo Senhor e construir a própria existência não sobre bens materiais, mas sobre a realidade que não perece: os dons de Deus, a Sua Palavra e Seu Corpo.

Se olharmos à nossa volta, percebemos que há tantas ofertas de alimentos que não são do Senhor e que, aparentemente, satisfazem mais. Alguns são nutridos pelo dinheiro, outros com sucesso e a vaidade, outros com poder e orgulho. Mas a comida que nos alimenta e que realmente nos satisfaz é apenas aquela que o Senhor nos dá! O alimento que o Senhor nos oferece é diferente dos outros, e talvez ele não pareça tão saboroso como os alimentos que nos oferece o mundo. Por isso, sonhamos com outras refeições, como os judeus no deserto, que lamentavam pela  carne e as cebolas que comiam no Egito, mas eles esqueceram que as refeições eram feitas na mesa da escravidão. Eles, nos momentos de tentação,  tinham memória, mas uma memória doente, uma memória seletiva.

Cada um de nós, hoje em dia, pode perguntar-se: e eu? Onde gostaria de comer? Em qual mesa eu quero me alimentar? Na  mesa do Senhor? Ou sonho em comer alimentos saborosos, mas na escravidão? Qual é a minha memória? Aquela que o Senhor me salva, ou aquela do o alho e das cebolas da escravidão? Com qual  memória  sacio a minha alma?

O Pai nos diz: “Eu te alimentei com o maná que você não conhecia”.  Recuperamos a memória e aprendamos a reconhecer o pão falso que ilude e corrompe, porque é fruto do egoísmo, da autossuficiência e do pecado.

Daqui a pouco, na procissão, nós seguiremos Jesus realmente presente na Eucaristia. A  Hóstia é o nosso maná, mediante a qual o Senhor no dá a Si mesmo. A Ele nos dirijamos com confiança: Jesus, defenda-nos das tentações do alimento mundano que nos torna escravos; purifica a nossa memória, para que não permaneça prisioneira na seletividade egoísta e mundana, mas seja memória viva de tua presença na história de seu povo, memória que se faz “memorial” do teu gesto de amor redentor. Amém.