Palavras do Papa aos voluntários do Ano da Fé – 25/11/13

Palavras do Papa aos voluntários do Ano da Fé - 25/11/13

PALAVRAS DO PAPA
Audiência com voluntários que prestaram serviço na organização do Ano da Fé
Sala Clementina – Palácio Apostólico Vaticano
Segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Ano da Fé, que se concluiu ontem, foi para os crentes uma ocasião providencial para reavivar a chama da fé, aquela chama que nos foi confiada no dia do Batismo, para que fosse por nós protegida e partilhada. Durante este Ano, Ano especial, vocês gastaram com generosidade parte do vosso tempo e das vossas capacidades, especialmente a serviço dos percursos espirituais propostos aos vários grupos de fiéis com apropriadas iniciativas pastorais. Em nome da Igreja, agradeço-vos e, juntos, agradeçamos ao Senhor por todo o bem que nos dá para cumprir.

Neste tempo de graça, pudemos redescobrir o essencial do caminho cristão, no qual a fé, junto com a caridade, ocupa o primeiro lugar. A fé, de fato, é a pedra fundamental da experiência cristã, porque motiva as escolhas e os atos da nossa vida cotidiana. Esta é a veia inevitável de todo o nosso agir, em família, no trabalho, na paróquia, com os amigos, nos vários ambientes sociais. E esta fé sadia, genuína, se vê especialmente nos momentos de dificuldade e de prova: então o cristão se deixa levar pelos braços de Deus e se apega a Ele, com a segurança de confiar em um amor forte como rocha indestrutível. Propriamente nas situações de sofrimento, se nos abandonamos a Deus com humildade, podemos dar um bom testemunho.

Queridos amigos e amigas, o vosso precioso trabalho de voluntariado, para os vários eventos do Ano da Fé, deu a vocês a oportunidade de colher melhor que outros o entusiasmo das diversas categorias de pessoas envolvidas. Juntos devemos realmente louvar o Senhor pela intensidade espiritual e o ardor apostólico suscitados por tantas iniciativas pastorais promovidas nestes meses, em Roma e em toda parte do mundo. Somos testemunhas de que a fé em Cristo é capaz de aquecer os corações, tornando-se realmente a força motriz da nova evangelização. Uma fé vivida em profundidade e com convicção tende a abrir-se a vasto alcance ao anúncio do Evangelho. É esta fé que torna missionárias as nossas comunidades! E de fato há necessidade de comunidades cristãs empenhadas em um apostolado corajoso, que alcança as pessoas em seus ambientes, mesmo naqueles mais difíceis.

Esta experiência que vocês adquiriram no Ano da Fé ajuda antes de tudo vocês a abrir vocês mesmos e as vossas comunidades ao encontro com os outros. Isto é importante, eu diria essencial! Sobretudo abrir-se a quantos são pobres de fé e de esperança em suas vidas. Falamos tanto de pobreza, mas nem sempre pensamos nos pobres de fé: há tantos. São tantas as pessoas que precisam de um gesto humano, de um sorriso, de uma palavra verdadeira, de um testemunho através do qual colher a proximidade de Jesus Cristo. Não falte a ninguém este sinal de amor e de ternura que nasce da fé.

Agradeço-vos e invoco sobre vocês e suas famílias a benção do Senhor.

Anúncios

Papa Francisco retoma tema do último Sínodo sobre a Nova Evangelização

O Espírito Santo é o principal agente da Nova Evangelização, disse o Pontífice

Da redação, com Rádio Vaticano

O Papa Francisco recebeu na manhã desta quinta-feira, 13, os 25 membros do XIII Conselho Ordinário da Secretaria-Geral do Sínodo dos Bispos, que estão reunidos nesses dias para auxiliar o Pontífice na escolha do tema da próxima Assembleia Geral.

Em seu discurso, o Papa falou do tema da última Assembleia: A nova evangelização para a transmissão da fé. Francisco explicou a estreita relação que existe entre esses dois elementos, já que a transmissão da fé é a finalidade da nova evangelização e de toda a obra evangelizadora da Igreja, que existe para isso.

Ademais, o termo “nova evangelização” evidencia a necessidade de um renovado anúncio do Evangelho nos países de antiga tradição cristã, para reconduzir a um encontro com Cristo que transforme realmente a vida e não seja superficial, marcada pela rotina. Isso acarreta consequências na ação pastoral, que deve rever seus métodos para anunciar a mensagem cristã ao homem moderno.

“Gostaria de encorajar toda a comunidade eclesial a ser evangelizadora, a não ter medo de ‘sair’ de si para anunciar. Certamente, as técnicas são importantes, mas nem mesmo as mais perfeitas poderiam substituir a ação discreta mas eficaz Daquele que é o principal agente da evangelização: o Espírito Santo.”

O Pontífice destacou que é preciso deixar-se guiar por Ele, mesmo que nos leve a caminhos novos, para que o anúncio com a palavra seja sempre acompanhado pela simplicidade de vida, pelo espírito de oração, de caridade por todos, principalmente pelos pobres, pela humildade e desapego de si e pela santidade de vida. “Somente assim o anúncio será fecundo!”

Francisco falou também sobre a estrutura do Sínodo dos Bispos, fruto do Concílio Vaticano II e atualmente guiado pelo Secretário-Geral, Dom Nikola Eterović.

O Papa disse que ele mesmo pôde experimentar os benefícios desta instituição, que está a serviço da missão e da comunhão da Igreja como expressão da colegialidade. “Posso testemunhar com base na minha experiência pessoal, por ter participado de várias Assembleias sinodais. Abertos à graça do Espírito Santo, alma da Igreja, estamos confiantes de que o Sínodo dos Bispos conhecerá ulteriores evoluções para favorecer ainda mais o diálogo e a colaboração entre os Bispos, e entre eles e o Bispo de Roma.

Por fim, o Papa agradece pelas propostas enviadas pelas instituições com as quais a Secretaria-Geral do Sínodo está em contato permanente para definir o próximo tema da Assembleia Geral.

Diálogo: Papa responde questionamentos dos bispos

Após entregar o discurso aos 25 membros do XIII Conselho Ordinário da Secretaria-Geral do Sínodo dos Bispos, parte dos presentes dirigiu-lhe algumas perguntas, às quais o Pontífice respondeu.

Em primeiro lugar, anunciou que concluirá a Carta encíclica iniciada pelo Papa emérito Bento XVI. Francisco explicou que sobre a Exortação pós-sinodal prevê trabalhar retomando todo o Sínodo sobre a nova evangelização realizado em outubro do ano passado, mas “numa moldura mais ampla”, que é a “da evangelização em geral”.

Como referido, o Conselho Ordinário da Secretaria-Geral do Sínodo dos Bispos reunido nestes dias refletiu também sobre temas da próxima Assembleia Geral Ordinária. O Papa Francisco respondeu também sobre temas sugeridos.

Recordou que em 2015 teremos os 50 anos do documento conciliar Gaudium et spes – Constituição pastoral sobre a Igreja no mundo –, da qual podem ser tomados temas que concernem “às relações Igreja-mundo”, a dignidade humana, a família, a tecnologia…

Em particular, o Santo Padre ressaltou a seriedade dos problemas da família, do fato que hoje muitas pessoas não se casam, convivem, e o matrimônio se torna “provisório”.

Falou também sobre a questão da ecologia, em particular em relação à “ecologia humana”. Em nível antropológico, o Papa Francisco evidenciou o problema da laicidade que se tornou laicismo, sobre a secularização praticamente.

Por fim, fez referência à questão do Sínodo e da sua relação com o ministério petrino, em torno do qual existem muitas expectativas. O Papa concluiu a conversação com um renovado agradecimento e encorajamento ao compromisso a responder aos novos desafios.

Homilia do Papa no encerramento do Ano da Fé – 24/11/2013

Homilia do Papa no encerramento do Ano da Fé - 24/11/2013

HOMILIA
Santa Missa de encerramento do Ano da Fé
Praça São Pedro – Vaticano
Domingo, 24de novembro de 2013

A solenidade de Cristo Rei do universo, que hoje celebramos como coroamento do ano litúrgico, marca também o encerramento do Ano da Fé, proclamado pelo Papa Bento XVI, para quem neste momento se dirige o nosso pensamento cheio de carinho e de gratidão por este dom que nos deu. Com esta iniciativa providencial, ele ofereceu-nos a oportunidade de redescobrirmos a beleza daquele caminho de fé que teve início no dia do nosso Baptismo e nos tornou filhos de Deus e irmãos na Igreja; um caminho que tem como meta final o encontro pleno com Deus e durante o qual o Espírito Santo nos purifica, eleva, santifica para nos fazer entrar na felicidade por que anseia o nosso coração.

Desejo também dirigir uma cordial e fraterna saudação aos Patriarcas e aos Arcebispos Maiores das Igrejas Orientais Católicas, aqui presentes. O abraço da paz, que trocarei com eles, quer significar antes de tudo o reconhecimento do Bispo de Roma por estas Comunidades que confessaram o nome de Cristo com uma fidelidade exemplar, paga muitas vezes por caro preço.

Com este gesto pretendo igualmente, através deles, alcançar todos os cristãos que vivem na Terra Santa, na Síria e em todo o Oriente, a fim de obter para todos o dom da paz e da concórdia.

As Leituras bíblicas que foram proclamadas têm como fio condutor a centralidade de Cristo: Cristo está no centro, Cristo é o centro. Cristo, centro da criação, do povo e da história.

1. O Apóstolo Paulo, na segunda Leitura tirada da Carta aos Colossenses, dá-nos uma visão muito profunda da centralidade de Jesus. Apresenta-O como o Primogênito de toda a criação: Nele, por Ele e para Ele foram criadas todas as coisas. Ele é o centro de todas as coisas, é o princípio: Jesus Cristo, o Senhor. Deus deu-Lhe a plenitude, a totalidade, para que Nele fossem reconciliadas todas as coisas (cf. 1, 12-20). Senhor da criação, Senhor da reconciliação.

Esta imagem faz-nos compreender que Jesus é o centro da criação; e, portanto, a atitude que se requer do crente – se o quer ser de verdade – é reconhecer e aceitar na vida esta centralidade de Jesus Cristo, nos pensamentos, nas palavras e nas obras. E, assim, os nossos pensamentos serão pensamentos cristãos, pensamentos de Cristo. As nossas obras serão obras cristãs, obras de Cristo, as nossas palavras serão palavras cristãs, palavras de Cristo. Diversamente, quando se perde este centro, substituindo-o por outra coisa qualquer, disso só derivam danos para o meio ambiente que nos rodeia e para o próprio homem.

2. Além de ser centro da criação e centro da reconciliação, Cristo é centro do povo de Deus. E hoje mesmo Ele está aqui, no centro da nossa assembleia. Está aqui agora na Palavra e estará aqui no altar, vivo, presente, no meio de nós, seu povo. Assim nos mostra a primeira Leitura, que narra o dia em que as tribos de Israel vieram procurar Davi e ungiram-no rei sobre Israel diante do Senhor (cf. 2 Sam 5, 1-3). Na busca da figura ideal do rei, aqueles homens procuravam o próprio Deus: um Deus que Se tornasse vizinho, que aceitasse caminhar com o homem, que Se fizesse seu irmão.

Cristo, descendente do rei Davi, é precisamente o “irmão” ao redor do qual se constitui o povo, que cuida do seu povo, de todos nós, a preço da sua vida. Nele, nós somos um só; um só povo unido a Ele, partilhamos um só caminho, um único destino. Somente Nele, Nele por centro, temos a identidade como povo.

3. E, por último, Cristo é o centro da história da humanidade e também o centro da história de cada homem. A Ele podemos referir as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias de que está tecida a nossa vida. Quando Jesus está no centro, até os momentos mais sombrios da nossa existência se iluminam: Ele nos dá esperança, como fez com o bom ladrão no Evangelho de hoje.

Enquanto todos os outros se dirigem a Jesus com desprezo – “Se és o Cristo, o Rei Messias, salva-Te a Ti mesmo, descendo do patíbulo!” –, aquele homem, que errou na vida, no fim agarra-se arrependido a Jesus crucificado suplicando: “Lembra-Te de mim, quando entrares no teu Reino” (Lc 23, 42). E Jesus promete-lhe: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso” (23, 43): o seu Reino. Jesus pronuncia apenas a palavra do perdão, não a da condenação; e quando o homem encontra a coragem de pedir este perdão, o Senhor nunca deixa sem resposta um tal pedido. Hoje todos nós podemos pensar na nossa história, no nosso caminho. Cada um de nós tem a sua história; cada um de nós tem também os seus erros, os seus pecados, os seus momentos felizes e os seus momentos sombrios. Neste dia, far-nos-á bem pensar na nossa história, olhar para Jesus e, do fundo do coração, repetir-lhe muitas vezes – mas com o coração, em silêncio – cada um de nós: “Lembra-Te de mim, Senhor, agora que estás no teu Reino! Jesus, lembra-Te de mim, porque eu tenho vontade de me tornar bom, mas não tenho força, não posso: sou pecador, sou pecadora. Mas lembra-Te de mim, Jesus! Tu podes lembrar-Te de mim, porque Tu estás no centro, Tu estás precisamente no teu Reino!”. Que bom! Façamo-lo hoje todos, cada um no seu coração, muitas vezes: “Lembra-Te de mim, Senhor, Tu que estás no centro, Tu que estás no teu Reino!”.

A promessa de Jesus ao bom ladrão dá-nos uma grande esperança: diz-nos que a graça de Deus é sempre mais abundante de quanto pedira a oração. O Senhor dá sempre mais – Ele é tão generoso! –, dá sempre mais do que se Lhe pede: pedes-Lhe que Se lembre de ti, e Ele leva-te para o seu Reino! Jesus é precisamente o centro dos nossos desejos de alegria e de salvação. Caminhemos todos juntos por esta estrada!

Angelus com o Papa Francisco – 24/11/13

Angelus com o Papa Francisco - 24/11/13

ANGELUS
Praça São Pedro – Vaticano
Domingo, 24 de novembro de 2013

Antes de concluir esta celebração, desejo saudar todos os peregrinos, as famílias, os grupos paroquiais, as associações e os movimentos, vindos de tantos países. Saúdo os participantes do Congresso nacional da Misericórdia; saúdo a comunidade ucraniana, que recorda o 80º aniversário do Holodomor, a “grande fome” provocada pelo regime soviético que causou milhões de vítimas.

Neste dia, o nosso pensamento grato vai aos missionários que, ao longo dos séculos, anunciaram o Evangelho e espalharam a semente da fé em tantas partes do mundo; entre estes o Beato Junípero Serra, missionário franciscano espanhol, do qual recorre o centenário de nascimento.

Não quero terminar sem um pensamento a todos aqueles que trabalharam para levar adiante este Ano da Fé. Dom Rino Fisichella, que guiou este caminho: agradeço-lhe tanto, de coração, a ele e a todos os seus colaboradores. Muito obrigado!

Agora rezemos juntos o Angelus. Com esta oração, invoquemos a proteção de Maria especialmente para os nossos irmãos e as nossas irmãs que são perseguidos por causa de sua fé, e são tantos!

Angelus Domini…

Agradeço-vos pela vossa presença nesta celebração. Desejo-vos um bom domingo e bom almoço.

Papa lançará sua primeira Exortação Apostólica na conclusão do Ano da Fé

Intitulada Evangelii gaudium, primeira Exortação Apostólica de Francisco será compromisso para toda a Igreja

Jéssica Marçal
Da Redação, com Boletim da Santa Sé

Papa lançará sua primeira Exortação Apostólica na conclusão do Ano da Fé

Dom Rino Fisichella deu detalhes aos jornalistas sobre eventos conclusivos do Ano da Fé / Foto: Arquivo Canção Nova

O Papa Francisco publica neste domingo, 24, a primeira Exortação Apostólica de seu pontificado: Evangelii gaudium. A informação foi dada pelo presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Dom Rino Fisichella, em coletiva no Vaticano nesta segunda-feira, 18, sobre os eventos conclusivos do Ano da Fé.

Dom Rino disse que a Exortação Apostólica é um compromisso que a Igreja é chamada a assumir. “Crer significa também partilhar com outros a alegria do encontro com Cristo. A Exortação do Papa, então, torna-se uma missão que vem confiada a cada batizado para fazer-se evangelizador”, declarou.

Acesse
: Todas as notícias sobre o Ano da Fé

Sobre os últimos eventos do Ano, ele citou a visita do Santo Padre ao mosteiro das monjas camaldolesas de Santo Antônio Abade no Aventino, em 21 de novembro. “A oração do Papa será aquela da comunidade monástica: o canto da Véspera segundo a regra camaldolesa e um breve momento de adoração eucarística”, informou. Após a oração, Francisco terá um encontro privado com a comunidade monástica.

Já em 23 de novembro, haverá um momento dedicado aos catecúmenos, pessoas que se preparam para receber o sacramento do Batismo. O Pontífice receberá 35 pessoas que, já adultas, decidiram entrar na Igreja recebendo os sacramentos da iniciação cristã. Dom Rino informou que, ao todo, serão 500 catecúmenos vindos de diversos países, como Rússia, Egito, Mongólia e Cuba. “Experimentarão também nesta circunstância a universalidade da Igreja católica”, disse.

O encerramento do Ano, em 24 de novembro, será com a celebração da Missa na Praça São Pedro. Estarão presentes representantes de cada um dos eventos realizados ao longo do Ano.

Neste dia, além da Missa e da publicação da Exortação Apostólica, estarão expostas as relíquias de São Pedro, ato inédito. Outro sinal marcante será o gesto de caridade para com a população das Filipinas, atingida pelo tufão Haiyan. Na Eucaristia do dia, será realizada uma coleta como contribuição dos peregrinos do Ano da Fé a essas pessoas necessitadas.

Segundo o arcebispo, mais de 8 milhões e meio de peregrinos visitaram o Túmulo de São Pedro ao longo do Ano da Fé, um sinal que ele julga significativo, somado às micro iniciativas realizadas em todo o mundo. “Em resumo, este Ano foi realmente uma experiência de graça que levaremos conosco com renovado sentido de gratidão ao Senhor pelo que nos fez viver”.

Catequese com o Papa Francisco – 09/10/2013

Catequese com o Papa Francisco - 09/10/2013

CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Queridos irmãos e irmãs, bom dia! Vê-se que hoje, com esta bruta jornada, vocês são corajosos: parabéns!

“Creio na Igreja una, santa, católica…” Hoje nos concentramos em refletir sobre este aspecto da Igreja: digamos católica, é o Ano da catolicidade. Antes de tudo: o que significa católico? Deriva do grego “kath’olòn” que quer dizer “segundo o tudo”, a totalidade. Em que sentido esta totalidade se aplica à Igreja? Em que sentido nós dizemos que a Igreja é católica? Em diria que em três significados fundamentais.

1. O primeiro. A Igreja é católica porque é o espaço, a casa na qual vem anunciada toda a fé, por inteiro, na qual a salvação que nos trouxe Jesus é oferecida a todos. A Igreja nos faz encontrar a misericórdia de Deus que nos transforma porque nessa está presente Jesus Cristo, que lhe doa a verdadeira confissão de fé, a plenitude da vida sacramental, a autenticidade do ministério ordenado. Na Igreja, cada um de nós encontra o que é necessário para crer, para viver como cristãos, para tornar-se santo, para caminhar em todo lugar e em todo tempo.

Para dar um exemplo, podemos dizer que é como na vida em família; na família, a cada um de nós é dado tudo aquilo que nos permite crescer, amadurecer, viver. Não se pode crescer sozinho, não se pode caminhar sozinho, isolando-se, mas se caminha e se cresce em uma comunidade, em uma família. E assim é na Igreja! Na Igreja nós podemos escutar a Palavra de Deus, seguros de que é a mensagem que o Senhor nos doou; na Igreja podemos encontrar o Senhor nos Sacramentos que são as janelas abertas através das quais nos é dada a luz de Deus, dos córregos nos quais traçamos a própria vida de Deus; na Igreja aprendemos a viver a comunhão, o amor que vem de Deus. Cada um de nós pode perguntar-se hoje: como eu vivo na Igreja? Quando eu vou à Igreja, é como se eu fosse ao estádio, a uma partida de futebol? É como se eu fosse ao cinema? Não, é outra coisa. Como eu vou à Igreja? Como acolho os dons que a Igreja me oferece para crescer, para amadurecer como cristão? Participo da vida de comunidade ou vou à Igreja e me fecho nos meus problemas isolando-me do outro? Neste primeiro sentido, a Igreja é católica porque é a casa de todos. Todos são filhos da Igreja e todos estão nesta casa.

2. Um segundo significado: a Igreja é católica porque é universal, está espalhada em toda parte do mundo e anuncia o Evangelho a todo homem e a toda mulher. A Igreja não é um grupo de elite, não diz respeito somente a alguns. A Igreja não tem trancas, é enviada à totalidade das pessoas, à totalidade do gênero humano. E a única Igreja está presente também nas menores partes desta. Todo mundo pode dizer: na minha paróquia está presente a Igreja católica, porque também essa é parte da Igreja universal, também essa tem a plenitude dos dons de Cristo, a fé, os Sacramentos, o ministério; está em comunhão com o Bispo, com o Papa e está aberta a todos, sem distinções. A Igreja não está só na sombra do nosso campanário, mas abraça uma imensidão de pessoas, de povos que professam a mesma fé, alimentam-se da mesma Eucaristia, são servidas pelos mesmos Pastores. Sentir-nos em comunhão com todas as Igrejas, com todas as comunidades católicas pequenas ou grandes do mundo! É bonito isto! E depois sentirmos que estamos todos em missão, pequenas ou grandes comunidades, todos devemos abrir as nossas portas e sair pelo Evangelho. Perguntemo-nos então: o que faço eu para comunicar aos outros a alegria de encontrar o Senhor, a alegria de pertencer à Igreja? Anunciar e testemunhar a fé não são tarefas de poucos, diz respeito também a mim, a você, a cada um de nós!

3. Um terceiro e último pensamento: a Igreja é católica porque é a “Casa da harmonia” onde unidade e diversidade combinam-se para ser uma riqueza. Pensemos na imagem da sinfonia, que quer dizer acordo, harmonia, diversos instrumentos tocando juntos; cada um mantém o seu timbre inconfundível e as suas características de som têm algo em comum. Depois tem o guia, o diretor, e na sinfonia que vem apresentada todos tocam juntos em “harmonia”, mas não é cancelado o timbre de algum instrumento: a peculiaridade de cada um, antes, é valorizada ao máximo!

É uma bela imagem que nos diz que a Igreja é como uma grande orquestra na qual há variedade. Não somos todos iguais e não devemos ser todos iguais. Todos somos diversos, diferentes, cada um com as próprias qualidades. E este é o bonito da Igreja: cada um leva o seu, aquilo que Deus lhe deu, para enriquecer os outros. E entre os componentes há esta diversidade, mas é uma diversidade que não entra em conflito, não se contrapõe; é uma variedade que se deixa unir em harmonia pelo Espírito Santo; é Ele o verdadeiro “Mestre”, Ele mesmo está em harmonia. E aqui perguntamo-nos: nas nossas comunidades vivemos a harmonia ou brigamos entre nós? Na minha comunidade paroquial, no meu movimento, onde eu faço parte da Igreja, há fofocas? Se há fofocas, não há harmonia, mas luta. E isto não é Igreja. A Igreja é harmonia de todos: nunca fofocar um contra o outro, nunca brigar! Aceitamos o outro, aceitamos que haja uma certa variedade, que isto seja diferente, que este pensa de um modo ou de outro – mas na mesma fé se pode pensar diferente – ou tendemos a uniformizar tudo? Mas a uniformidade mata a vida. A vida da Igreja é variedade, e quando queremos colocar esta uniformidade sobre todos matamos os dons o Espírito Santo. Rezemos ao Espírito Santo, que é propriamente o autor desta unidade na variedade, desta harmonia, para que nos torne sempre mais “católicos”, isso é, nessa Igreja que é católica e universal! Obrigado.

Catequese do Papa Francisco

Catequese do Papa Francisco - 03/04/2013

Catequese 
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 3 de abril de 2013

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal

Queridos irmãos e irmãs, bom dia,

Hoje retomamos as Catequeses do Ano da Fé. No Credo repetimos esta expressão: “Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras”. É propriamente o evento que estamos celebrando: a Ressurreição de Jesus, centro da mensagem cristã, ecoando desde o início e transmitido porque se estende até nós. São Paulo escreve aos cristãos de Corinto: “A vós…transmiti, antes de tudo, aquilo que também eu recebi; isso é, que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e que ressuscitou ao terceiro dia segundo as Escrituras e que apareceu a Cefas e aos Doze” (1 Cor 15, 3-5). Esta breve confissão de fé anuncia propriamente o Mistério Pascal, com as primeiras aparições do Ressuscitado a Pedro e aos Doze: a Morte e a Ressurreição de Jesus são propriamente o coração da nossa esperança. Sem esta fé na morte e na ressurreição de Jesus a nossa esperança será frágil, mas não haverá esperança nenhuma, e propriamente a morte e a ressurreição de Jesus são o coração da nossa esperança. O Apóstolo afirma: “Se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa fé e vós estais ainda em vossos pecados” (v. 17). Infelizmente, sempre se procurou obscurecer a fé na Ressurreição de Jesus, e também entre os próprios crentes se insinuaram dúvidas. Um pouco daquela fé “água de rosas”, como dizemos nós; não é a fé forte. E isto por superficialidade, às vezes por indiferença, ocupados por mil coisas que são consideradas mais importantes que a fé, ou por uma visão somente horizontal da vida. Mas é propriamente a Ressurreição que nos abre à esperança maior, porque abre a nossa vida e a vida do mundo ao futuro eterno de Deus, à felicidade plena, à certeza de que o mal, o pecado, a morte podem ser vencidos. E isto leva a viver com mais confiança as realidades cotidianas, enfrentá-las com coragem e com compromisso. A Ressurreição de Cristo ilumina com uma luz nova estas realidades cotidianas. A Ressurreição de Cristo é a nossa força!

Mas como nos foi transmitida a verdade de fé da Ressurreição de Cristo? Há dois tipos de testemunho no Novo Testamento: alguns são na forma de profissão de fé, isso é, de fórmulas sintéticas que indicam o centro da fé; outras, porém, são em forma de relatos do acontecimento da Ressurreição e de fatos ligados a ela. A primeira: a forma da profissão de fé, por exemplo, é aquela que escutamos há pouco, ou aquela da Carta aos Romanos na qual São Paulo escreve: “Se com a tua boca proclamarás: ‘Jesus é o Senhor!’, e com o teu coração creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo” (10, 9). Desde os primeiros passos da Igreja está bem clara e firme a fé no Mistério de Morte e Ressurreição de Jesus. Hoje, porém, gostaria de concentrar-me sobre a segunda, sobre o testemunho na forma de relatos, que encontramos nos Evangelhos. Antes de tudo, notamos que as primeiras testemunhas deste acontecimento foram as mulheres. Ao amanhecer, essas vão ao sepulcro para ungir o corpo de Jesus, e encontram o primeiro sinal: o túmulo vazio (cfr Mc 16,1). Segue depois o encontro com um Mensageiro de Deus que anuncia: Jesus de Nazaré, o Crucificado, não está aqui, ressuscitou (cfr vv. 5-6). As mulheres são movidas por amor e estão prontas para aceitar este anúncio com fé: acreditam, e imediatamente o transmitem, não o guardam para si mesmas, transmitem-no. A alegria de saber que Jesus está vivo, a esperança que enche o coração, não se pode conter. Isto também deve ser feito na nossa vida. Sintamos a alegria de ser cristãos! Nós cremos em um Ressuscitado que venceu o mal e a morte! Tenhamos a coragem de “sair” para levar esta alegria e esta luz a todos os lugares da nossa vida! A Ressurreição de Cristo é a nossa maior certeza; é o tesouro mais precioso! Como não compartilhar com os outros este tesouro, esta certeza? Não é somente para nós, é para transmiti-la, para doá-la aos outros, compartilhá-la com os outros. É propriamente o nosso testemunho.

Um outro elemento. Nas profissões de fé do Novo Testamento, como testemunhas da Ressurreição são recordados somente homens, os Apóstolos, mas não as mulheres. Isto porque, segundo a Lei judaica daquele tempo, as mulheres e as crianças não podiam dar testemunho confiável, credível. Nos Evangelhos, em vez disso, as mulheres têm um papel primário, fundamental. Aqui podemos colher um elemento a favor da historicidade da Ressurreição: se fosse um fato inventado, no contexto daquele tempo não estaria ligado ao testemunho das mulheres. Os evangelistas, em vez disso, narram simplesmente isso que aconteceu: são as mulheres as primeiras testemunhas. Isto mostra que Deus não escolhe segundo os critérios humanos: as primeiras testemunhas do nascimento de Jesus são os pastores, gente simples e humilde; as primeiras testemunhas da Ressurreição são as mulheres. E isto é belo. E isto é um pouco a missão das mulheres: das mamães, das mulheres! Dar testemunho aos filhos, aos sobrinhos, que Jesus está vivo, está vivo, ressuscitou. Mães e mulheres, sigam adiante com este testemunho! Para Deus conta o coração, o quanto estamos abertos a Ele, se somos como as crianças que confiam. Mas isto nos faz refletir também sobre como as mulheres, na Igreja e no caminho de fé, tiveram e têm também hoje um papel particular no abrir as portas ao Senhor, no segui-Lo e no comunicar a sua Face, porque o olhar de fé tem sempre necessidade do olhar simples e profundo do amor. Os apóstolos e os discípulos encontraram dificuldades para acreditar. As mulheres não. Pedro corre ao sepulcro, mas para diante do túmulo vazio; Tomé precisa tocar com as suas mãos as feridas do corpo de Jesus. Também no nosso caminho de fé é importante saber e sentir que Deus nos ama, não ter medo de amá-Lo: a fé se professa com a boca e com o coração, com a palavra e com o amor.

Depois das aparições às mulheres, seguem outras: Jesus torna-se presente de modo novo: é o Crucificado, mas o seu corpo é glorioso; não tornou à vida terrena, mas sim em uma nova condição. No início não O reconhecem, e somente através de suas palavras e os seus gestos os olhos se abrem: o encontro com o Ressuscitado transforma, dá uma nova força à fé, um fundamento inabalável. Também para nós há tantos sinais no qual o Ressuscitado se faz reconhecer: a Sagrada Escritura, a Eucaristia, os outros Sacramentos, a caridade, aqueles gestos de amor que trazem um raio do Ressuscitado. Deixemo-nos iluminar pela Ressurreição de Cristo, deixemo-nos transformar pela sua força, para que também através de nós no mundo os sinais de morte deixem o lugar aos sinais de vida. Vi que há tantos jovens na praça. Aqui estão eles! A vocês digo: levem adiante esta certeza: o Senhor está vivo e caminha ao nosso lado na vida. Essa é a missão de vocês! Levem adiante esta esperança. Estejam ancorados nesta esperança: esta âncora que está no céu; segurem forte a corda, estejam ancorados e levem adiante a esperança.  Vocês, testemunhas de Jesus, levem adiante o testemunho de que Jesus está vivo e isto nos dará esperança, dará esperança a este mundo um pouco envelhecido pelas guerras, pelo mal, pelo pecado. Avante, jovens!